OSTEOPATIA

A Osteopatia foi criada pelo médico americano Andrew Taylor Still por alturas da guerra civil americana nos finais do séc. XIX.
A palavra “Osteopatia” deriva das palavras gregas “Osteón” e “Pathos” que significam “osso” e “sofrimento”, respectivamente. Apesar do seu nome fazer apenas referência ao osso, a osteopatia é actualmente uma terapia manual usada na reabilitação da globalidade dos tecidos (musculares, fasciais, osteo-articulares, nervosos e viscerais), abordando o sujeito como um todo e não apenas pelas partes afectadas pela patologia.



Osteopatia é um sistema autónomo de cuidados de saúde primário, que se baseia no diagnóstico diferencial, bem como no tratamento de várias patologias, e prevenção da saúde, sem o recurso a fármacos ou cirurgia. A Osteopatia enfatiza a sua acção centrada no paciente, ao invés do sistema convencional centrado na doença.


São usadas técnicas de manipulação, com o objectivo de restabelecer a mobilidade perdida e dar equilíbrio ao sistema musculoesquelético, sacro-cranial e visceral, de forma a manter a elasticidade do tecido conjuntivo em todos os seus sistemas.
É um meio para reencontrar uma postura adequada e movimentos sem dor. Ajustando o equilíbrio interno e eliminando tensões, visa uma harmonia holística do corpo, proporcionando bem estar.



 

INDICAÇÕES

• Lesões das costas: cervicais, dorsais, lombares, hérnias, contracturas.
• Lesões desportivas: entorses, luxações, sobrecarga muscular.
• Patologia músculo-esquelética: artroses, artrites, fibromialgia, osteoporose.
• Transtornos da esfera crânio-cervical: cefaleias, enxaquecas, vertigens, tonturas.

METODOLOGIA
Técnicas estruturais: manipulações articulares.
Técnicas rítmicas: estiramentos, bombeios.
Técnicas miotensivas: Estiramentes, alongamentos
Técnicas de tecidos moles: técnicas de manipulação de fáscias.
O tratamento osteopático inclui um exame completo com a anamnese, observação de postura e avaliação dos tecidos e articulações.

PRINCÍPIOS DA OSTEOPATIA

1.  A estrutura (ossos, músculos, órgãos, etc.) está reciprocamente inter-relacionada com a função (funções dos vários sistemas do corpo humano). O sistema neuro-músculo-esquelético é regulador de todos os outros sistemas. Disfunções dos componentes somáticos podem não ser só uma manifestação de doença, mas um factor que contribui para a própria doença.
2. O organismo tem a capacidade de se auto-regular e curar, uma vez eliminados os obstáculos que promovem a doença.
3. O sangue transporta todos os nutrientes necessários ao funcionamento saudável dos tecidos. Uma boa circulação vascular é essencial para o bom funcionamento do organismo.
4. O corpo é uma unidade em movimento. O fluxo nervoso, vascular, linfático, nervoso é crucial para a manutenção da saúde.

  • Wix Facebook page